A Televisão Brasileira.

 

a-televisa-brasileira

 

A TV Brasileira surgiu na década de 50, mais precisamente no dia 3 de Abril de 1950 com uma apresentação de um padre mexicano que cantava. Ele se chamava Frei José Mojica e foi a primeira imagem impressa nos tubos das antigas tvs em preto e branco que estavam no saguão dos Diários Associados que ficava na Rua 7 de Abril, em São Paulo. A transmissão foi feita pela TV Tupi. Os ideais que giravam em torno da televisão no Brasil eram a de um veículo que transmitiria informação, entretenimento e educação. Atualmente parece que a única idéia que sobrou dessa tríade é a do entretenimento, numa programação cada vez mais voltada para o sensacionalismo, violência e comércio, refletidos enormemente no povo brasileiro.

A TV Tupi transmitiria ainda em fase experimental mais um programa, um filme em que Getúlio Vargas fala sobre seu retorno à vida política no dia 10 de setembro. Mas foi só no 18 de setembro de 1950 que a televisão brasileira finalmente nascia. Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo, dono dos Diários Associados, cadeia de jornais e emissoras de rádio inaugura a TV Tupi de São Paulo, canal 3, cuja razão social é Rádio e Televisão Difusora. “Está no ar a TV Tupi” foi a primeira frase das transmissões oficiais da televisão no Brasil e foram proferidas por Sônia Maria Dorce, na época uma menina de 5 anos vestida de índia.

No dia 19 de setembro vai ao ar o primeiro telejornal da TV brasileira, o Imagens do Dia. O noticiário, com clara influência do rádio, era apresentado pelo radialista Ribeiro Filho, com texto e reportagem de Rui Rezende.

Os primeiros passos da televisão foram de aprendizagem, tanto técnica quanto artística. Com poucos recursos, os poucos equipamentos eram suficientes para manter a estação no ar e a maior parte dos profissionais trabalhava de acordo com os conhecimentos que haviam adquirido no rádio, cinema ou teatro.

Como o Brasil ainda não fabricava aparelhos de TV, o próprio Chateaubriand importou duzentos televisores e os colocou pela cidade para divulgar a grande novidade. Deu certo e Chateaubriand conseguiu vender 1 ano de espaço publiciário nos programas da TV Tupi.

O caso é que mesmo nessas condições, a TV Tupi se firmou e contribui para a expansão do veículo. Em 1953, já existiam mais quatro emissoras, duas no Rio de Janeiro (RJ) e duas outras em São Paulo (SP). Embora longe de ter encontrado uma linguagem televisiva, São Paulo, nesta ocasião, era considerado o melhor centro produtor. Como os programas eram ao vivo, o improviso virou a marca registrada do início da tv no Brasil.

Mesmo com poucas horas diárias de permanência no ar (em geral, das 18 às 22h), a programação televisiva era bastante diferenciada. Veiculava-se “dramaturgia, musical, humorismo, jornalismo, programas infantis, esportes e variedades”, mas o teleteatro era o gênero feito com maior esmero de produção. Obras nacionais e internacionais eram encenadas com excelente nível de adaptação e interpretação, apesar de os cenários serem mais criativos que ricos e os figurinos serem trazidos de casa pelos próprios atores. Nas encenações de época, alugava-se roupas da Casa Teatral para suas interpretações.

O primeiro programa de teleatro foi “A Vida por um Fio“, adaptação do filme americano “Sorry, Wrong Number“. Era um drama policial onde uma mulher morre estrangulada pelo marido. Contou com direção de Demerval Costa Lima e Cassiano Gabus Mendes e foi estrelado por Lima Duarte, Lia de Aguiar, Walter Forster, Dionísio Azevedo e Yara Lins.

Desde o início da TV, um gênero de programa encarado com extremo cuidado de realização foi o teleteatro. Importantes obras nacionais e estrangeiras foram exibidas com excelente nível de adaptação e interpretação, apesar de os cenários serem mais criativos que ricos e os figurinos serem trazidos de casa pelos próprios atores. Nas encenações de época, alugava-se roupas da Casa Teatral para suas interpretações.

Os musicais, muito populares na época, também começaram a ser produzidos para a TV. Às vezes eram cópias simples de programas de rádio, mas em outros casos eram superproduções para os padrões da TV brasileira. A telenovela, hoje um dos gêneros mais populares no Brasil, era programação constante mas não carregava ainda o apelo popular atual. O humor também teve seu espaço com transmissões circenses e programas de auditório compostos por quadros humorísticos. Os telejornais eram constantes na programação embora as notícias muitas vezes fossem meros recortes dos jornais locais. Os equipamentos de televisão, muito grandes e pesados, não permitiam a agilidade de coberturas diárias que um telejornal necessita. Utilizavam-se os equipamentos de TV em reportagens externas apenas para a transmissão de esportes.

No ano de 1951 a publicidade a TV brasileira começa a ser utilizada profissionalmente para a publicidade. As agências de publicidade americanas McCann Erikson e a J. W. Thompson com sede no Brasil trouxeram o modelo publicitário da TV americana. Nos primeiros anos, os patrocinadores escolhiam os programas que seriam produzidos e veiculados, além de contratar diretamente os artistas e produtores. Na época, já havia mais de 7 mil aparelhos de televisão entre São Paulo e Rio de Janeiro. Em 1954 foi criado o IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião e Pesquisa), que fornecia para as agências de publicidade os números da audiência da TV. As agências intensificaram as pesquisas de opinião para conhecer os hábitos de consumo do telespectador e qual seria o melhor horário para veicular seus produtos.

Na base do erro e acerto, a experiência televisiva brasileira ia melhorando. No fim da década de 50 outras emissoras de TV já tinham sido inauguradas em outras capitais brasileiras. O número de telespectadores crescia, muito em detrimento do “boom” da indústria eletrônica que permitia a compra de aparelhos de TV por preços menores. Contudo, as programações ainda tinham caráter local por causa do curto alcance das transmissões. As únicas experiências de maior alcance se davam entre cidades, como Rio e São Paulo, mas eram esporádicas devido ao grande esforço que requeriam.

Ao final da década de 50, o dado mais relevante da TV no Brasil foi o início da veiculação de seriados norte-americanos e a introdução do vídeo-tape, processo de gravação de som e imagem em fita magnética. Os testes começaram em 1957 e a implantação do sistema ocorreu em 1960. Esse processo de gravação gerou uma grande revolução no meio televisivo. Ele permitiu que as fitas dos programas fossem copiadas e enviadas para outros centros televisivos brasileiros, iniciando a fase de industrialização do programa de televisão e propiciando a inauguração de mais 27 emissoras pelo país. São Paulo e Rio de Janeiro polarizaram a TV brasileira como grandes centros de produção. Cerca de 80% dos programas gravados das emissoras paulistas e cariocas eram enviadas para outras emissoras pelo país.

Os avanços tecnológicos transformaram a TV no mais importante veículo de comunicação do Brasi durante a década de 60. Programas de auditório e telenovelas finalmente entraram no cotidiano dos telespectadores, sedimentando a influência da TV nos lares brasileiros. Heitor de Andrade, Aurélio Campos, Airton Rodrigues na TV Tupi, Vicente Leporace, Blota Jr. na TV Record, Bibi Ferreira na Tv Excelsior e outros trouxeram a idéia da presença de público dos programas de rádio para os auditórios dos estúdios de TV.

 

 

Os apresentadores dos programas de auditório evoluíram para verdadeiros animadores da plateia, que com carisma e força de comunicação cativavam os espectadores. Profissionais como Chacrinha (Abelardo Barbosa), Flávio Cavalcanti, Hebe Camargo e Silvio Santos apareçeram. Cada um com um estilo próprio que propiciavam uma enorme audiência para as emissoras onde trabalhavam. Chacrinha e Silvio Santos tinham como público alvo a população de nível sócio-cultural mais baixo. Apresentando atrações de apelo popular, introduziram na TV o show de calouros, gincanas, distribuição de brindes, concursos, premiações e mais.

Chacrinha marcou época e se transformou em um ícone da comunicação. O apresentador se vestia de maneira espalhafatosa e volta e meia esculhambava a própria plateia. Seu jeito simples de se dirigir ao público o transformou em fenômeno popular. Já Flávio Cavalcanti mantinha o esquema tradicional que o havia consagrado anteriormente em programas de rádio, divulgando a música popular brasileira com lançamentos e concursos. Sílvio Santos é o único que persiste até hoje e seu estilo se manteve o mesmo através dos anos. Os três comunicadores valiam-se da presença de júris, compostos por pessoas famosas.

A Rede Globo, maior rede de TV do Brasil, foi inaugurada em 1965, às 11 da manhã, quando entrou no ar o canal 4, TV Globo do Rio de Janeiro, a semente que deu início a formação da Rede Globo de Televisão que hoje cobre 99,84% dos 5.043 municípios brasileiros, através de suas 113 emissoras (geradoras e afiliadas). A Globo foi e continua sendo a emissora mais influente e pioneira na TV brasileira, ficou famosa não só pelos programas já mencionados aqui mas também por tão famosas e conhecidas Novelas da Globo.

Com o aumento do lucro obtido com programas de TV (principalmente com novelas e programas de auditório), alguns empresários da comunicação decidiram montar uma base empresarial mais sólida, o que permitiria um aumento da audiência com uma nova mentalidade administrativa. Embora não tenha sido seguida por todos os empresários, essa mudança patrocinou a introdução de inovações, inclusive técnicas, que acabaram por fabricar as diretrizes da trajetória televisiva dos anos 70.

Os grandes avanços na década de 70 foram transmissão em rede via satélite (1970) e a transmissão a cores (1972). As transmissões via satélite foram responsáveis pelo encurtamento das distâncias, permitindo informar com rapidez fatos ocorridos pelo mundo. Isso gerou mais credibilidade para a TV e o número de telespectadores cresceu assustadoramente. A possibilidade da transmissão a cores exigiu a troca dos equipamentos das emissoras. As novas ferramentas eram menores e melhores, o que permitiu mudanças inclusive na linguagem da televisão ao utilizar com grande frequência os novos efeitos eletrônicos aliados ao video tape.

No campo das telenovelas a evolução também foi notável. Encenação, conteúdo e estrutura narrativa foram aprimorados e temas paranormais, sátiras políticas, críticas sociais passaram a dividir espaço com as tradicionais tramas românticas. As transmissões esportivas se beneficiaram com o advento do replay e câmera-lenta. A TV brasileira crescia a passos largos e começava a ser reconhecida no exterior. Diversos prêmios internacionais foram obtidos em diferentes gêneros de produção: musical, dramático e infantil.

A década de 80 foi marcada pelo fim da censura oficial ao telejornalismo, no dia 3 de fevereiro e pelo fechamento da primeira emissora do Brasil, a TV Tupi. Em compensação o SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) de Sílvio Santos estreia com as seguintes emissoras: Canal 04, de São Paulo; Canal 9, do Rio de Janeiro, Canal 05, de Porto Alegre; canal 02, de Belém. Adolpho Bloch ganhou o direito de explorar outra rede de TV e ianugura a Rede Manchete com as seguintes emissoras: Canal 09, de São Paulo; Canal 06, do Rio de Janeiro; Canal 04, de Belo Horizonte; Canal 06, de Recife; e Canal 02, de Fortaleza. A Rede Manchete durou até 1990, quando foi vendida para o Grupo TeleTV. presidida pelo empresário Amilcare Dallevo. Era o fim da Manchete e o começo da Rede TV.

A Rede Globo

 

rede-globo

 

Os anos 60 marcaram a estreia da Rede Globo de Televisão, atualmente a maior emissora do Brasil. No dia 26 de abril de 1965, às 11 da manhã, entrou no ar o canal 4, TV Globo do Rio de Janeiro, a semente que deu início a formação da Rede Globo de Televisão que hoje cobre 99,84% dos 5.043 municípios brasileiros, através de suas 113 emissoras (geradoras e afiliadas).

Seu destaque e importância na história da TV brasileira começou com a transmissão da Copa do Mundo de Futebol na Inglaterra, em 1966. Além de ser a primeira transmissão internacional foi a primeira Copa transmitida ao vivo. Outra cobertura que merece destaque foi a do lançamento da nave espacial Apollo IX, em 1968, que foi a pioneira em transmissões via satélite.

Outro marco foi o início das transmissões em rede no Brasil com o lançamento em 1969 do Jornal Nacional. A Globo também foi pioneira na implantação da TV a cores no Brasil, em 1972. Em 1975 a emissora já contava com uma programação nacional toda a cores.

Famosa por produzir as melhores novelas brasileiras, a Globo começou sua tradição em telenovelas em 1966, quando a autora cubana Gloria Magadan escreveu uma das primeiras novelas levadas ao ar pela Globo, “Eu Compro Esta Mulher“, seguida por “O Sheik de Agadir“, escrita pela mesma autora com e obtendo o mesmo sucesso. “O Sheik” inovou registrando maior número de cenas externas e uma edição mais ágil.

Durante o período de um ano, a Globo produz e transmite novelas, minisséries e especiais. Somando os shows, programas humorísticos, tele-jornais e outros, são mais de 4 mil horas de programação autônoma todo ano, o que transforma a Rede Globo na maior produtora de programas televisivos de todo o mundo.

Para ajudar na produção de suas séries e novelas, a Globo possui um centro de Produção, o PROJAC. Situado no bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro, é o maior centro de produção da América Latina com 1.300.000 metros quadrados, dos quais 120 mil de área construída, abrigando estúdios, módulos de produção e galpões de acervo.

 

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 3.3/5 (15 votes cast)
TV Brasileira, 3.3 out of 5 based on 15 ratings